COBRA NORATO - A Lenda do Filho de Boiuna

20:44


Essa é a lenda que conta a história de Cobra Norato, muito conhecida dentro do folclore amazônico. Ela conta que uma mulher chamada Zelina deu a luz a um casal de gêmeos, filhos de Boiuna. Ao menino chamou Honorato e à menina chamou Maria. Porém, como os dois nasceram com aparência de cobra, sua mãe decidiu que seria melhor entregá-los ao rio. 

Com o tempo, as pessoas passaram a chamá-los de Cobra Norato e Maria Caninana, que era considerada como um demônio, por conta de vários atos de maldade, inclusive derrubando muitos barcos. Por conta disso, seu irmão acabou a matando depois de uma luta violenta entre eles. Norato, por sua vez, era bom e gentil, salvando muitas pessoas do afogamento. Quando a noite chegava, ele saía da água e desencantava com a luz da lua, ganhando corpo de homem e deixando seu corpo de cobra às margens do rio. Feito isso, ia até festas para dançar, ver as moças e conversar com outros rapazes. 

Aproveitava também para visitar sua mãe e dormir em sua casa algumas noites, sempre pedindo a ela que o ajudasse a desfazer o encanto de forma definitiva. Para isso, ela teria que ir até o seu corpo de cobra nas margens do rio, enquanto dormia, e depois de colocar 3 gotas de leite materno em sua boca, desse uma cutilada de ferro nela, pois assim 3 gotas de sangue sairiam e ele estaria liberto. Mas sempre que chegava perto do monstruoso corpo, ela perdia a coragem e voltava para casa. Ele tentava também pedir o mesmo para outras pessoas. mas todos tinham a mesma reação de sua mãe. Por isso, não podia quebrar o encantamento.

Mas um dia, depois de nadar pelo Tocantins, durante uma festa noturno, conheceu e ficou amigo de um soldado, que não pensou duas vezes para aceitar o pedido e assim fez conforme o pedido, aproveitando também para queimar aquele terrível corpo gigante de cobra. Dessa forma, Norato se libertou do encantamento e viveu para o resto da vida na região do Pará, sendo querido por todos a sua volta.

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários